Arquivos do Blog

Problemas no Quadril da Criança

Problemas no Quadril da Criança

Dr Ney Peres, médico ortopedista, especialista em quadril, escreve sobre as causas, sintomas e tratamento das doenças do quadril na infância.

As doenças do quadril que acometem as crianças são de causas diversas. Podem ser relacionadas a faixas etárias, ao tipo físico, doenças infecciosas, metabólicas e deformidades congênitas.

Os sintomas que podem aparecer são dor no quadril, dor em outras partes do corpo (a criança pode ter uma doença no quadril e ter dor irradiada para o joelho), febre, inchaço-edema, aumento da temperatura na região do quadril, vermelhidão local, incapacidade de movimentar a articulação do quadril, apresentando alteração da marcha, desequilíbrio, e deslocamento das estruturas do quadril.

Problemas no quadril na criança podem ser causados por doenças graves?

As causas mais comuns de doenças no quadril na infância são benignas, mas dependem da faixa etária.

Problemas no quadril da criança podem desenvolver-se a partir de esforços excessivos, infecção, trauma ou um problema que estava presente desde o nascimento (congênito). Estranhamente, uma criança que tem um problema de quadril, muitas vezes sente dor no joelho ou coxa em vez do quadril, isto acontece devido a irradiação desta dor pelos nervos que passam pela bacia e também pelos joelhos. Um bebe mancando pode ser uma manifestação de uma doença do quadril, pode aparecer sem dor.

Problemas de quadril que afetam as crianças incluem:

1. Uma reação inflamatória, tal como a sinovite transitória ou a infecção no quadril (pioartrite, artrite séptica) que podem ocorrer após a criança ter tido algum outro tipo de infecção, no caso  viral na sinovite (resfriado) e bacteriana na pioartrite (infecção de garganta, pneumonia). A sinovite transitória de quadril é a causa mais comum de dor no quadril nas crianças entre 3 e 8 anos e a pioartrite de quadril é a causa mais comum de dor nas crianças entre 0 e 6 anos de idade. É extremamente importante o diagnóstico precoce nesses casos, pois a infecção de quadril é uma urgência cirúrgica e quanto mais precocemente a criança for operada menor serão as chances de sequelas no futuro.

2. Doença de Legg-Calve-Perthes. A dor é causada pela diminuição do fluxo sangüíneo para a cabeça do fêmur que afeta a vitalidade óssea nesta região. O diagnóstico precoce e tratamento (conservador ou cirúrgico) estão diretamente relacionados com as complicações possíveis como a artrite ou a artrose precoce do quadril.

3. Epifisiólise da cabeça do fêmur. Isto ocorre quando a extremidade superior da cabeça do fêmur desliza no local de crescimento ósseo (epífise) devido a um trauma recente ou sobrecarga no quadril , causando dor e dificuldade de apoiar a perna. O tratamento na epifisiólise da cabeça do femur é cirúrgico. Após a sinovite transitória, pioartrite de quadril e Doença de Legg-Calve-Perthes, o escorregamento da cabeça do fêmur ou epifisiólise do quadril é a quarta causa mais comum de dor no quadril das crianças.

4. Displasia do desenvolvimento do quadril (DDH). Esta condição é causada por um problema no desenvolvimento da articulação do quadril. Observa-se uma instabilidade articular devido a cabeça do femur tender a sair do seu encaixe na bacia, o acetábulo.

5. Artrite idiopática juvenil (JIA). Esta condição provoca inflamação edema nas articulações que são muitas vezes rígidas e dolorosas. Infecção na articulação (artrite séptica), bursa (bursite séptica), ou o quadril ou osso pélvico (osteomielite). Em casos raros, câncer de osso, como o osteossarcoma.

6. Fraturas. Quando nos deparamos como uma fratura de quadril em uma criança sem patologia óssea ou metabólica, o trauma que a ocasionou foi de alta energia. Assim sendo o atendimento de urgência deve seguir o protocolo do ATLS (Advanced Life Trauma Support) para crianças, pois muitas vezes outros traumas estão associados a fratura de quadril como o de crânio e de tórax. O tratamento das fraturas de quadril podem ser com gesso pélvico-podálico no caso de crianças de até 5 anos (AAOS) ou cirúrgico acima desta idade, excluindo os casos de fraturas expostas onde o tratamento cirúrgico é obrigatório não importando a idade.

Podemos então concluir que a dor no quadril da criança necessita da avaliação médica o mais breve possível. O tratamento de urgência deve ser afastado, este não sendo o caso, outros tratamento das doenças do quadril na criança devem ser iniciados o quanto antes para que se diminua a chance de complicações futuras.

 

Este texto não substitui uma consulta médica. Foi escrito pelo Dr Ney Peres, CRM 101.136, de acordo com as normas éticas do Conselho Federal de Medicina.  Para marcar uma consulta com Dr Ney Peres, ligue para 011 3285-5726. Para perguntas use o espaço para comentários abaixo.

 

 

Fratura de Quadril Aumenta o Risco de Morte

Fratura de Quadril  Aumenta o Risco de Morte

Pesquisa recente mostra que o risco de morte aumenta em três vezes após o primeiro ano de fratura no quadril em pacientes com mais de 60 anos. As complicações pós-operatórias cardíacas e pulmonares são as principais causas de mortalidade nas fraturas de quadril no primeiro ano de evolução destes pacientes. Tromboembolismo e pneumonia foram as principais.

A pesquisa publicada no Journal of Internal Medicine, em Janeiro de 2017, reúne dados de 123.000 homens e mulheres acima de 60 anos da Europa (Alemanha, Grécia, República Tcheca, Suécia, Noruega e Reino Unido), Estados Unidos e Emirados Árabes. O estudo teve duração de quase 13 anos, onde quase 4.300 fraturas de quadril ocorreram e 28.000 mortes foram registradas.

A associação entre fratura de quadril e risco de morte foi observada com mais intensidade nos homens e em pacientes que atingiram 70 anos. Pacientes com doenças crônicas como cardiopatias, câncer e diabetes atingiram o maior risco de mortalidade.

Estima-se que nos EUA 300.000 pessoas com mais de 65 anos são hospitalizadas com fraturas de quadril anualmente. No Brasil temos cerca de 200 mil casos por ano.

Além de prevenir a fratura de quadril de ocorrer com tratamento para osteoporose e outras orientações, a prevenção das complicações futuras posteriores à ocorrência da fratura de quadril é fundamental. Atenção especial à mobilidade, prevenção de tromboses, de novas fraturas, tratar adequadamente doenças crônicas como diabetes e doenças do coração.